9comentários

Qual filme você precisa? Dicas para escolher o filme correto

por em 24/10/2014
 

Todo mundo que começa a clicar com filme sabe que é difícil resistir à uma coisa: testar filmes. E querendo ou não, isso se faz necessário até que encontre seus modelos e marcas favoritos. Como fotógrafos, e não meros nostálgicos e fanáticos por química e camêras, queremos encontrar a nossa marca, nossa cara nas fotos. E pra isso, encontrar o filme que nos satisfaça para o tipo de foto que gostamos de fazer e importantíssimo.

Os malucos por retratos coloridos gritam “Portra!”, os de paisagem gritam “Ektar!”, mas não existe regra. Existe gosto pessoal. Um filme pode ser indicado para certas situações ou tipos de trabalho, mas só você testando e avaliando os resultados vai encontrar a batida o filme perfeito.

Agora, pensa numa droga viciante.

– Você clica com filme há quanto tempo?
– Clico.
– Há quanto tempo você clica?
– O quê?
– Filme!
– Quero.

Testar filme é mais viciante que Nutella. Então, cuidado pra não tornar sua conta bancária a nova Cantareira. Escolher seu filme favorito para cada trabalho é algo que envolve muitas variáveis, como latitude, ISO, saturação de cores, reciprocidade e granulação. Para darmos tiros mais certeiros, vale a pena seguir três dicas legais para conseguir o resultado que espera.

1. O Queimando Filme – Procure nossas resenhas e opiniões sobre filme aqui no site. Já temos um banco de informações bem relevante por aqui e vale a leitura.

2. O Flickr – Onde mais, né? O Flickr é uma mão na roda nessas horas. Procure por um filme específico na busca do site e tenha uma ideia bem legal do resultado que pode obter com ele. Pra ser ainda mais preciso, procure fotos digitalizadas com scanners profissionais.

3. Escolhidos alguns filmes, baixe o datasheet dos malandros. Procure por “‘nome do filme’ + datasheet” no Google e com certeza encontrará um PDFzinho lindo com todas as informações técnicas do seu filme.

Com tudo isso, fica muito mais fácil encontrar o filme ideal para o que você quer clicar e como quer o resultado. E sem gastar o dinheiro da merenda.

Se quiser colaborar com os amiguinhos, mande pra gente os resultados e sua opinião sobre algum filme que testou!

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Patrícia
    12/02/2015 em 12:44 pm

    Apoio a idéia do livro (pode começar com um artigo também comentando a melhor utilização de cada um). Estava exatamente procurando um resumo desses. Valeu Reginaldo e Bruno.

    Responder

  • 09/02/2015 em 8:44 pm

    Nossa, descobri esse site hoje. pra eu que tô começando na analógica isso parece um sonho <3
    Vou ate guardar nos meus favoritos. Obrigadaa :*

    Responder

  • Reginaldo
    24/01/2015 em 7:01 pm

    Esse negócio de testar filme é um caso sério mesmo. Na gaveta da minha geladeira não cabe nem uma folha de alface, está repleta de filmes diversos, a maioria importada. Esse, aliás, é um ponto importante: você pode economizar mais de 50% se importar o filme em vez de comprar aqui no Brasil, e até hoje não tive problema de filme danificado por raio-X de alfândega. Enfim, testei diversos tipos de filme e aqueles que mais me agradam são: P&B: Ilford Delta 100, Kodak TRI-X 400 e Svema 32 (isso mesmo, vencido em 1993, depois que revelei o primeiro rolo e vi o resultado, comprei imediatamente um lote direto da Ucrânia). Colorido: Kodak ProImage 100 (como um filme tão barato pode ser tão bom?), Ektar 100 (não preciso falar nada desse, não é?), AGFA Vista 400 (eu poderia classificar essa película na categoria “vagabunda”, mas gosto muito!) e Kodak Portra 400. Tenho diversos outros estocados, que vou usando esporadicamente. Escrever sobre esses filmes daria um livro!

    Responder

    • Bruno Silva
      26/01/2015 em 7:15 am

      Reginaldo, é assim mesmo. Cada vez que compro uma nova bobininha minha mulher quer me matar. To roubando o espaço da geladeira. haha Interessante esse Svema 32, hein? Nunca usei um. Tri-X é meu favorito assim, de longe! E adoro o Vista 400 também! Coloco na lista o Fuji Acros 100 que entra na categoria vagabundo mas eu adoro. hehe
      Abraço!

      Responder

  • Dona
    28/10/2014 em 10:32 pm

    peoples,
    vcs conhecem algum site q eu possa achar filmes fuji com preço bacana?
    obg!

    Responder

  • Gabriel
    26/10/2014 em 6:09 pm

    Então… eu perguntei, na verdade, porque eu estava tirando fotos alternando entre cada uma o ISO (ora 100, ora 400). Só depois descobri que isso não é correto… e, como a maioria foi com ISO 400, estava pensando em puxar na hora de revelar, daí queria saber se perderia as de ISO 100. Muito obrigado pela resposta.

    Responder

  • Gabriel
    25/10/2014 em 10:52 pm

    Poderiam me tirar uma dúvida? Estou utilizando um filme de ISO 100 (kodak proImage 100), caso eu regule a câmera normalmente para este tipo de filme, mas na revelação pedir para revelarem com sendo ISO 400 as fotos ficarão como? Creio que bem mais claras, mas será um contraste forte a ponto de “estragar” as imagens? Obrigado.

    Responder

    • Bruno Silva
      26/10/2014 em 12:47 pm

      Gabriel, em revelação C-41, não existe diferença na revelação de filmes com ISOs diferentes. Os tempos são os mesmos independentes do ISO. O que normalmente se pode fazer é pedir para “puxar” pontos de luz (1EV, 2EV..). Isso se pede quando setamos a câmera para um ISO diferente do filme, como fotografar em ISO 400 um filme que é ISO 100. Neste caso, temos que puxar 2 pontos. Mas você fotografando com o ISO correto e pedir pra puxar o filme 2 pontos, as imagens sairão claras demais, isso se sair alguma coisa, dependendo da sua fotometria original ter sido correta. Este tipo de coisa não aumenta o contraste. Só aumenta o contraste quando o filme é puxado (como eu disse, fotografando com o set 2 pontos a mais e pedindo pra puxar na revelação).

      Responder

Deixa aí seu comentário!